sexta-feira, 10 de junho de 2011

Me ajuda?

(...) "Meu Deus, não sou muito forte, não tenho muito além de uma certa fé — não sei se em mim, se numa coisa que chamaria de justiça-cósmica ou a-coerência-final-de-todas-as-coisas. Preciso agora da tua mão sobre a minha cabeça. Que eu não perca a capacidade de amar, de ver, de sentir. Que eu continue alerta. Que, se necessário, eu possa ter novamente o impulso do vôo no momento exato. Que eu não me perca, que eu não me fira, que não me firam, que eu não fira ninguém. Livra-me dos poços e dos becos de mim, Senhor. Que meus olhos saibam continuar se alargando sempre. Sinto uma dor enorme de não ser dois e não poder assim um ter partido, outro ter ficado com todas aquelas pessoas.
Volta a pergunta maldita: terei realmente escolhido certo? E o que é o “certo”? Digo que todo caminho é caminho, porque nenhum caminho é caminho. Que aqui ou lá — London, London, Estocolmo, Índia — eu continuaria sempre perguntando. Minhas mãos transpiram, transpiram. O nariz seco por dentro. Não quero escrever mais nada hoje. A lua já se foi. As Plêiades, como dizia Safo, já foram se deitar. E eu vim-me embora, meu Deus, eu vim-me embora."

29 de maio (no avião), in Lixo e purpurina


Caio Fernando Abreu

4 comentários:

Rosana Karlla disse...

Oiee minha flor, td bem?
Te presenteei com dois selinhos que ganhei.Pelo seu blog ser um blog que faz a diferença!Jesus continue te abençoando grandemente, um bj!Ah...Passa lá no meu blog pra trazer seus selinhos! :)
http://rosanakarlla.blogspot.com/

Binha Borges disse...

Obrigada Linda!
Bjão pra ti!
na paz!

Jaki disse...

Muito Bom!
Lindo texto

Binha Borges disse...

;)

Postar um comentário